quarta-feira, 11 de junho de 2008

la barceloneta




Foi a única cidade onde eu pensei “é... acho que aqui eu moraria e seria feliz”. Barcelona é uma cidade que pulsa juventude. Cheia de jovens, muitas opções de bares, boates, a obra de Gaudí, pessoas bonitas, praias, cerveja barata... Ai, ai. É praticamente impossivel não se encantar pela cidade.

Capital da Catalunha. Os habitantes sequer se consideram espanhóis e é bem difícil conhecer nativos de lá. É verdade que algumas pessoas podem se incomodar com isso, porque a cidade é lotada de gringos e o catalão é pouco falado. Mais se fala Espanhol... e Ingles. É um lugar pra você conhecer pessoas do mundo inteiro, todas em busca de diversão. Passamos 8 dias, queríamos muito mais. 5 bastam. Menos de 3, nem pensar.

A melhor época pra conhecer Barcelona, sem dúvida, é quando ainda (ou já) estiver quente. É uma pena ir pra uma cidade que pulsa “férias” sem poder usufruir ao máximo o que ela tem a te oferecer. Bom mesmo é ir pra Barcelona pra andar de havaianas, ir à praia, finalmente sair na Europa sem casaco a tiracolo e não se preocupar com isso. Mas o verão é cheio demais. Se possível, procure ir um pouco antes ou um pouco depois. Mas vá.

Comparada à outras cidades européias, Barcelona é super barata. É possível tomar uma cerveja com 2€, (5€, se dentro de uma boate). Você começa a achar o máximo pagar 5 reais em uma cerveja. Atenção: a cerveja local, Estrella, é uma merda. Melhor se garantir em marcas conhecidas e boas.

Não vale a pena comprar o passe de museus. Acho que Barcelona é bom pra relaxar sem o compromisso de ir a tantos museus.

O aeroporto, como em todas as cidades da Europa, fica meio longe do centro. Você precisa pegar um tunelzinho que liga o terminal à estação final de trem. O trem é barato e sai tipo a cada meia hora no máximo. Vai lotaaaaaaaado. Um saco, principalmente porque está TODO MUNDO com muitas malas. De táxi até o centro custa uns 30€, então se estiverem 2 pessoas é um caso a pensar.

De trem descemos na estação SANTS, onde se faz a baldeação pro metrô. Aí depois se vira.

O metrô de lá é bom, comparado ao Brasil, mas bem inferior ao transporte coletivo londrino ou francês. Funciona até a meia-noite, o que é o máximo, e é 24 horas de sábado para domingo. É muuuuuuuuuuito mais barato do que em outras cidades européias, custando ridículos 7€ o cartãozinho de 10 viagens; portanto, use-o! Funciona no ônibus também e é esta a opção de transporte na madruga se você por acaso quiser voltar “cedo” para casa e estiver hospedado longe do Centro. É muito comum as pessoas esperarem o primeiro metrô na balada e depois irem pra casa. Barcelona dorme tarde. Ou cedo.

A cidade é cortada pelas RAMBLAS, que é uma rua enorme e larga com lojas e restaurantes nas calçadas e muitos artistas de rua durante o dia. Em frente aos artistas, uma HORDA de turistas e garçons gritando “Paella! Paella!”, o que faz dali um lugar insuportável se você estiver de ressaca. Uma maldição, mesmo. É bom dar uma voltinha, mas fuja de lá se quiser andar tranquilamente pela rua. Inevitavelmente, em algum momento você passa lá, até porque a vida noturna rola por ali, nos bares e nas boates.

Mas bom mesmo em Barcelona é gastaaaaaaaaaaaaaar o dia. Começar na praia - não na Barceloneta, que é cheia de gringos demais. Cool mesmo é ir em Bogatel, uns 10 minutinhos pra esquerda. Dá pra ir andando. É uma caminhadinha, mas dá. Aí depois de ficar hoooooooooras tomando sol, de topless ou não, vá direto pra Champagneria comer uns bocaditos baratos e tomar Champagne quase de graça. Imperdível. Aí ir pra casa trocando as pernas depois de 2 garrafas por pessoa, tomar banho, descansar um pouco e de repente sair às 2h pra entrar em algum lugar... Ou não. Estes lugares custam tipo 10€ e lá dentro a bebida é meio cara... Mas rola música eletrônica boa e gente bonita. Um dia, pelo menos, vale a pena. Porque Barcelona é voltar à adolescência. E isso não tem preço. Então aproveite enquanto ainda não somos chatos demais pra isso.

Imperdível:

La Champagnaria Casablanca: Carrer Bonavista, 6. É um lugar MINUSCULO, entre a Barceloneta, onde tem a praia, e o Bairro gótico, onde tem as lojinhas incriveis de roupas modernas e toy art. Na verdade é um bar de cava. Um barzinho minusculo, com uma portinha, que fica numa ruazinha minuscula. E dentro tem muita, muita gente. Muito mais do que no carmelitas no carnaval. Muito mais do que na entrada do Maracana na final do brasileiro num fla flu. No comeco é bem estressante, mas depois de um tempo você entra no esquema e passa a achar o máximo. A GARRAFA de champagne lá custa 2,80€. Que tal? Num lugar cheio de gente bonita. Você só pode comprar uma garrafa acompanhada de bocadillos, o que acaba sendo bom pra não ficar bêbado demais. E fica, viu? A boa é chegar tipo 18h30 e sair às 21h. Depois das 19h30 você não consegue mais entrar. E FECHA às 22h. Mas é imperdível.

Casa Batlló. Elegemos o lugar mais legal da viagem INTEIRA. Um prediozinho contruido pelo Gaudí como “a moradia perfeita”. Ali tudo tem uma explicação, o corrimão é assim porque a mão encaixa melhor deste jeito, a janela é uma guilhotina pra ocupar menos espaço, o azulejo é assim por isso, a telha é assim pra economizar energia, tal coisa pro ar circular melhor... GENIAL. Custa meio caro, 16€ pra entrar, mas vale MUITO a pena. Estudante tem desconto. Fica na estação PASSEIG DE GRACIA. Endereço: Pg. de Gràcia, 43. Ao lado, uma livraria com os melhores preços da cidade. Aliás, Barcelona é um ótimo lugar pra comprar livros.

La Pedrera: subindo a rua da Casa Batlló. Outra obra incrivel de Gaudí. Um prédio todo arredondado, com um terraço incrível... Mas não entramos. A obra anterior ja tinha sido suficiente pra nós. Mas é foda, linda, linda. Vale pelo menos olhar e fazer umas fotos.

Parque Guel: outra obra de Gaudí, no alto da cidade. Fomos andando da Casa Batlló até lá, é legal, mas bem longe. Tipo mais de uma hora caminhando. É legal pra conhecer a cidade como um catalão faria. No parque foi filmada a cena de “Albergue Espanhol” onde o Javier leva a amante pra ver a cidade em cima do jardim suspenso. É lindo, todo cheio de mosaicos e com os famosos lagartos de Gaudí. Vale muito a pena a visita, principalmente porque é de graça!

Fundació Museu Miró: na estação final da L4 do metrô, Paralel. De lá, você pega o Funicular (um plano inclinado) até a parte alta da cidade. É legal pra ver Barcelona de cima e pra respirar um pouco de ar puro, sentar na grama etc. E o museu... É foda. Muitas esculturas de Miró e paineis lindos, lindos. 8€.

O Bairro Gótico: IMPERDIVEL. Dedique tempo a caminhar e se perder por ali. Uma arquitetura única e sensacional, com ruelinhas cheias de surpresa. É onde fica a Catedral, que é linda. É onde você se sente em Barcelona, mesmo. Tem lojinhas incríveis (e caras) com sapatos maravilhosos e roupas modernas e exclusivas (e caras). Tem lojinhas de toyart (a melhor: Falbalas, na Carrer Stand, 284) que te enlouquecem. Tem os bares mais legais da cidade à noite. É foda o lugar.

Plaza Cataluña: meio N. Sra. da Paz. Perto das Ramblas, é onde pega-se o ônibus pra voltar pra casa caso não queira esperar o metrô. Tem muitos restaurantes, tem a FNAC... É um lugar bom de comércio, em geral.

Comer Tapas. Dos mais variados tipos. Um bando de porcariazinhas deliciosas e engordativas... E incrivelmente baratas. Experimente as patatas bravas. Cheeeeeias de pimenta, ótimas. Além disso, os mais diferentes tipos de embutidos, que eu dispenso.

A Barceloneta: a Ipanema local. Praia meio bizarra, mas é um bairro bem charmosinho. Vale a pena dar uma andada despretensiosa e ficar com invejinha das pessoas felizes que moram ali.

Lojas mais legais: Custo (roupas), Desigual (quase incrível, tem coisas legais) e, principalmente, Camper – a loja de sapatos incrível de toda a Europa... E caríssima! 100€ o sapato, infelizmente. Melhor comprar aqui na Sollas ou na New Order. Não vale a pena. Infelizmente.

La sagrada familia: a famosa igreja inacabada de Gaudí. É linda, macabra, sombria... Está sendo concluída de acordo com o projeto original. Na verdade, há mais o que ser visto de fora do que dentro, o que faz você economizar 11€.

Praia: em Bogatel, a praia dos modernos. Bom também pra descobrir o que fazer a noite. Quase o coqueirão J

Bares e boates: Ficam em volta das Ramblas, indo pro Bairro Gótico. Tem muitos, são ótimos. Não deixe de entrar um dia pra dançar e se acabe na música eletrônica. Nada como estar em um lugar onde ninguem te conhece. A gente foi num lugar chamado Moog (Arc Del Teatre, 3) bem legal.

La Boquería: Um mercado público com as coisas mais incríveis e mais bizarras. Ótimo pra comprar coisas “de comer” pra trazer pro Brasil. Rende boas fotos, de frutas bizarras a cabeças de cordeiro congeladas. Tem comidas do mundo todo, inclusive Matte Leão – mas não de garrafão.

2 comentários:

Anônimo disse...

quase o coqueirão? que merda hein...

Lia Kauffmann disse...

Ola Aline.
Vi sua dica de loja de toyart, mas acho que o nome da rua esta errado, pois não existe pelo menos no google maps a Carrer Stand.
Gostaria muito de ter o endereço, é esse mesmo??