quarta-feira, 22 de julho de 2009

borboletas no estômago

sempre gostei de amores pé na porta. sempre achei que melhor era a recuperação de um coração partido do que o vazio de nunca ter vivido um grande amor.

porque bonito mesmo é construir junto, e nada como uma dor de amor pra sentir que o que corre ali é sangue quente, é respiração acelerada, adrenalina a mil por hora, é coração com vontade de bater junto, tic-taqueando alucinado, querendo virar um só.

que tristes aqueles que vivem a vida sem a coragem de se jogar e viver até a última gota. que tristes aqueles que nunca choraram de alegria quando perceberam que o jogo da conquista - um jogo onde todo mundo SEMPRE sai ganhando - estava dando certo. que pena tenho de quem nunca se entregou, nunca acreditou, nunca engoliu o orgulho e escolheu ser feliz em vez de ter razão.

um brinde então aos primeiros momentos do romance, quando a gente se permite se encantar pelo outro e se apaixona dia a dia, pouco a pouco. um gesto, um sorriso, uma mão dada que nos sustenta na hora certa. tem coisas que não tem preço.

que as borboletas no estômago incomodem. sempre.

3 comentários:

Carol disse...

um brinde!

apoio todas as vírgulas

Alexandra disse...

Gostei muito do que escreveu.

Estou passando por uma situação em que eu não tenho medo de me entregar, mas acho que ele sim... enviarei .para que ele leia.

Precisamos viver.
Bjs! E parabéns

Anônimo disse...

fogo, nem acredito estou tambem a passar por uma situaçao identica estou a começar uma relaçao seria, mas ainda estamos no principio, entao todos os dias é uma surpresa e aquele nervoso miudinho fica sempre antes de me encontrar com ele ..xD mas depois é tudo demais xDDD