terça-feira, 15 de setembro de 2009

O poder do rimmel

Eu amo maquiagem desde sempre. Pegava o batom vermelho da minha avó e passava nas bochechas que ficava uma beleza. Assumo: eu era a Viúva Porcina Mirim, mas não era culpa minha. E eu SEMPRE quis saber usar a porra do delineador (desisti) e coisas tipo se a base vinha ou não antes do corretivo.

Aí fui pro México e fui tomada por aquela onda Maria del Barrio e resolvi que a partir de agora eu era uma mulher que se maqueia.

AMO. Fico passando mal de vontade de viajar só pra passar horas no free-shop e não posso me conter enquanto não conheço qual é exatamente o último lançamento da MAC e seus inimigos. mas a minha paixão MESMO é o rimmel. Até comentei sobre isso AQUI.

Rimmel é atitude. Rimmel é poder. Night sem rimmel é "fuialiejávolto", não imprime glamour algum. Amo e tenho de vários tipos, motivos, pincéis.Todos pretos, claro. Rimmel azul imprime loirice, não glamour. E rimmel transparente não imprime.

Tudo isso porque estava eu conversando no trabalho e uma delas estava chateada porque na noite anterior não conseguiu sacar $ pra sair com as amigas. Frustrada, niteroiense e então pobre, teve que voltar pra casa e se conformar em passar a noite no twitter.

Nessa hora você se conforma e tira o rimmel.

Cara, nada no mundo é mais deprimente do que tirar um rimmel não usado. Dá uma trabalheira danada, suja, a cara fica toda borrada... Pra nada?! Ali você se dá conta de que sua vida é uma merda mesmo e você é uma looser, sem amigos, sem vida social, que DESISTIU de sair. Colocou aquela porra preta no olho à toa.

Um minuto de silêncio em solidariedade à amiga.