sexta-feira, 16 de outubro de 2009

o cofrinho

a gente vai ficando velho e adquirindo algumas manias pra lá de engraçadas. TOC, alguns vão dizer. é, pode ser. mas é fato que vamos cada vez mais querendo que as coisas sejam feitas do nosso jeitinho (o jeito “certo”). e, se não quiserem, ok. a gente vai ficando velho, cheio de mania e, confesso, com uma certa preguiça de mudar as coisas. se não der pra ser do jeito que a gente quer... tudo bem. a gente fica sem.

t
udo isso pra dizer que de uns tempos pra cá comecei a manter um cofrinho. é isso mesmo, um cofrinho. só de moedas de 1 Real, que é moeda BOA, e não aquelas pela-saca de 25 centavos que só serve pra causar uma falsa euforia na pessoa.

p
ois bem. cofrinho é coisa de velho. mas o fato é que ganhei o meu de uma amiga minha que trabalhava na época no GNTP e não terá seu nome mencionado porque o cofrinho era uma brinde do lançamento do progama “me poupe”. estava eu na casa dela e vi um porquinho de FLÁstico tão munitinho que não sosseguei enquanto ela não desviou um pra mim.

acontece que o porquinho era pequeno para a minha capacidade de ser mão-de-vaca com minhas moedas de 1 Real. virei obsessiva com las moneditas e juntava tudo o que me aparecia. a única regra era: eu juntaria $ por 1 ano e durante esse período eu colocaria toda e qualquer moeda BOA no cofrinho. ganhei 20 Reais em moedinha? Incrível. todas pra dentro. o tanto que eu conseguisse juntar seria gasto integralmente na minha festa de aniversário de 30 anos. é sempre bom ter um motivo bem supérfluo definido - recomendo.

rapidamente o porquinho morreu e foi substituído por uma garrafa pet devidamente lacrada. a garrafa encheu até a boca (eu disse que era obsessiva) e foi trocada por uma caixa de papelão que, devidamente reforçada, durou até o objetivo final.

970 moedinhas de 1 Real nunca haviam sido tão bem gastas. a festa foi incrível e a conta nem doeu.

como piadinha meu irmão me deu de aniversário um porquinho de gesso lindinho. ele vem sendo – amadoramente, confesso – preenchido com o mesmo propósito, mas não tanta determinação, desde abril. ele é fofo e enfeita minha casinha. mas é um eterno motivo de piada – Luana e seus cofrinhos. ok, o povo não tem determinação, azar do povo. eu sou adepta do cofrinho.

aí agora eu olhava pra ele e pensava: pra que eu vou deixar essa merda aí? tô indo viajar mesmo, se bobear tem uns 100 € aí dentro. dá pra uma renca de superfluosidades. sim, minha gente. dinheiro extra não pode ser gasto com coisa séria. é igual $ que você ganha em jogo, coisa que nunca aconteceu comigo. gastar com seriedade dá muito azar. o bom é o prazer extra, inesperado, motivo pelo qual o $ tem que ser gasto com algo que você nunca faria porque ficaria com dózinha. essa é a graça. vai por mim.

abri o cofrinho. foi uma delícia. e... adivinha? tinha exatos 100 €. Incrível. só pode ser um sinal.

e acabei de decidir que vou gastar na Eurodisney.

J

5 comentários:

Vanessa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanessa disse...

a grana do cofrinho será muito bem empregada. não é supérfluo, acredite. cores e diversão são elementos indispensáveis na vida.

lipeburger disse...

fancy vc!

Ciana Lago disse...

ai amiga vc foi roubar o meu cofrinho de Flástico e por causa disso nunca mais consegui juntar dinheiro!

Anônimo disse...

Lu...
Não se sinta só. O Sidnei, meu namorado, também é adepto dos cofrinhos e só junta moedas de 1 real. hahahhah... viu?, tem sempre um maluco com manias iguais às nossas.
;-)
beijos
Débora Tenca