segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Taormina: me apaixonei pela Sicilia.



Acordamos meio cedo e fomos até Reggio Calábria pegar a barca pra atravessar o Mar Tirreno até a Sicilia! Era algo que já estava nos planos desde o início, mas confesso que foi meio surreal fazer a travessia Calábria-Sicilia. A gente brinca de mafioso desde criancinha, mas nem nos meus dias mais criativos eu imaginei, de verdade, estar tão inserida no coração da máfia italiana.

Andamos (muito) até a estação contra um ventinho frio e uma chuva fina que nos fizeram questionar: É isso mesmo??? Beleza então, vamos lá, viajar é isso aí. pegamos a barca de 4€ e 20” depois já estaríamos em Messina, a bolinha que a bota chuta, lá do outro lado.

Estaríamos porque o post precisa ser interrompido pela observação de que, no meio do trajeto, olho pra trás e vejo Uirá e Michelle COMENDO DOIS OVOS COZIDOS. Ok, eu como menos do que a média para manter o corpitcho. Mas esses dois SÓ PODEM ESTAR DE SACANAGEM que eles cozinharam ovos e trouxeram embrulhadinhos na bolsa para o caso de sentirem fome. Nnão tem jeito; você sai de São Gonçalo, mas São Gonçalo não sai de você.


Prontodesabafei. Descemos em Messina e caminhamos até a estação ferroviária, onde chegamos e descobrimos que o trem para Taormina sairia em 6 minutos. Compramos o bilhete correndo e corremos, corremos, corremos, e conseguimos entrar no trem.

Comentário a quem interessar: a barca, o ônibus dentro da Sicilia e todos os trens regionais dentro da Itália custam entre 3 e 5 €. Ok , grata pela atenção.

Menos de uma hora depois beirando o Tirreno do outro lado chegamos à estação de trem de Taormina. Ao descermos, descobrimos que ali era muito bonito, mas que a cidade ficava em cima daquele despenhadeiro láaaaaaaa em cima e levaríamos umas 4 horas subindo. De repente encosta um microônibus piquitito do nosso lado. A gente faz uma cara de mongolóide sorridente. “Taormina?!” “Si, m´a per anaonacomeccatzocomemacomeperché” . Oi, tudo bom? Não entendi NADA do que o amigo siciliano falou. Entendi o “si” então vamolá.

Taormina se revelou de cara como IMPERDIVEL. É muito, muito, muito lindinha a cidade. A coisa mais fofolucha, uma cidadezinha medieval com ruelinhas de vasinhos na varanda que fica no alto de um penhasco e é vigiada de mais alto ainda por um castelo. E ainda tem uma rua principal com cara de Búzios ou Campos do Jordão, cheia de cafés bonitinhos, restaurantes caros e lojas mais ainda. Era EXATAMENTE o que precisávamos ver.



Achamos um B&B na própria rua. A dona, Patricia, é uma italiana gente boa com um cachorro super fofo que fala inglês fluente (a dona, não o cachorro, naturalmente). Para nossa surpresa a diária custou 25€ por pessoa, café da manhã incluso, com um quarto incrivel, um banheiro incrível, um café da manhã OK (café da manhã incrível eu só vi no Brasil). Vale muito a pena: www.joansheritage.com – (39) 3200217268. Vejam a vista do quarto, que chiqueza:


Nos apaixonamos pela cidade e ficamos 2 dias lá, dando um descanso na vidinha pacata de Ardore. Taormina é o máximo. É bem cara, na verdade. Mas é uma delícia se você quiser só passar o seu dia flanando, comendo pizza a 2€ no quarto, se dando o direito a uma comidinha melhor por 10-15 € por pessoa, fazendo as fotos + lindas, descansando um pouco a cabeça.

À noite fomos dar uma volta pela cidade e ela é a coisa mais charmosinha. Jantamos no restaurante Grotta Azzurra, na Via Bagnoli Croce, 2. Staff israelense super bacana. Depois fomos andando até o 145 caffé shop, na rua principal. O dono era incrível e adorava o Brasil. Ficamos ali um pouco, ouvindo uma musiquinha eletrônica de altíssimo nível, conversando com o carinha. Ele nos recomendou uma baladinha, Déjà Vu, mas começava as 23h30 e estávamos muito cansados. Passamos.

No dia seguinte acordamos e fomos ao Teatro Grego, que nem sabíamos que existia ali. Gente, surreal. Uma parada GIGANTE do lado de onde estávamos!!! Lembrei muito das minhas aulas da Rosângela na faculdade. Aliás, eu preciso encontra-la para dizer que a Europa nunca seria a mesma sem a abertura do olhar que ela me proporcionou. E isso não tem preço. Ficamos lá, sentados observando aquela magnitude em silêncio. A cidadezinha toda lá embaixo, casinhas fofas... E o Etna na nossa frente, oponente, em silêncio. Era tudo muito inacreditável.



A imponência do teatro

A fofura da cidade

Peguei o iPod da Mi (o meu quebrou, vocês já entenderam, né, e estou putaça com isso), sentei sozinha no meio daquilo tudo em silêncio, ouvi Nessum Dorma e pela primeira vez da viagem me emocionei de verdade. Fechei os olhos, meu avô sentou do meu lado e sussurrou no meu ouvido: “tudo isso vai fazer sentido, minha filha”.



Me apaixonei pela Sicilia.

::

Você é parte do que me faz seguir caminhando todos os dias.


3 comentários:

Marcelinha disse...

Gente, agora que percebi que conheço a Michelle! Só não conheci essa porção "modelete" dela. Nem a sua.

Gente, e Rosangela é tudo pra uma viagem à Europa mesmo. Uma das razões que me fez ir a Madrid foi o "Jardim das delícias", esmiuçado por ela na aula mais louca da minha vida acadêmica.

Continua que a gente tá adorando!! :) bjo!

Ana Pacheco disse...

Me emocionei junto com você Luaninha!

Carolina Sofia disse...

voce foi somente para taormna ou passeou por toda sicilia? estou vendo qual o melhor jeito de chegar a sicilia e o que visitar por la. passeou em toda a ilha?
chegou de carro/ferry ou aviao/qual aeroporto?

carolsofia@gmail.com