segunda-feira, 3 de maio de 2010

sobre a saudade


uma das coisas que mais me incomoda na vida adulta é não ter tanto tempo disponível para minhas amigas quanto gostaria. sei que algumas se incomodam, mas é que a vida é tão corrida que às vezes é difícil estar em todos os lugares, com todas as pessoas, ao mesmo tempo.

vivo tentando aprender a conciliar melhor. e sempre sinto que algum setor da vida acaba ficando descoberto. não consigo dedicar um tempo com qualidade à várias pessoas que gostaria. e, nesse cabo-de-guerra emocional, quem saímos perdendo somos sempre nós mesmas.

que saudades daquela vida descompromissada, horas e horas vendo o tempo passar. as viagens que nunca mais existirão - não naqueles lugares, não daquela forma. nunca mais teremos aquele tempo. taí uma verdade: o bem mais precioso que existe é o tempo, esse carrasco implacável, cruel, que nunca muda de idéia, que nunca mais volta atrás.

e eu, que me sinto tão culpada. será que sou só eu que me sinto assim? vamos todo mundo se esforçar? ou será que é assim mesmo, a gente cresce e vai tendo menos tempo, e os amigos que entendam? não sei.

eu tenho saudade é das tardes de sábado, do sorvete depois do cinema, das horas e horas conversando sobre o primeiro beijo X ou Y, dos porres de sexta-feira, da inocência dos conselhos existencialistas. e, pensando nisso, sinto uma saudade que às vezes elas nem sabem. que nos metemos nessa roda da vida e deixamos de lado o que ela tem de mais precioso: o abraço saudoso, sincero e apertado de uma amiga tão querida.

o tempo. há que fazer as pazes com ele.

fica aqui, então, o "Mural da Saudade".








"Understand that friends come and go, but with a precious few you should hold on. Work hard to bridge the gaps in geography and lifestyle, because the older you get, the more you need the people who knew you when you were young".

Um comentário:

caru disse...

a saudade só faz mais lindos os momentos que estamos junto de quem a gente ama.
essa moça mal humorada da última fota me parece muito legal!
te amo =)