sábado, 4 de junho de 2011

balão mágico




E aí que de repente eu me dei conta de que às vezes a vida é como um balão que sobe, sobe, sobe... E aí que, na paisagem da vida, a gente achava bonito aquele balão.

Até que num belo dia, apesar do sol, ventou. E o balão, claro, vertiginou. Desesperado pra controlar o balão, ele olhou pro lado correndo e viu que a bagagem talvez estivesse pesada demais. E pensou que era o momento de dispensar coisas.

Num impulso, sem se dar conta, ele resolveu jogar fora justamente o baú do tesouro.

::

É, o balão ficou leve. Mas... E o que sobrou?
Nada.

::

"Se enamora
e fica tão difícil de ir embora
e às vezes escondido a gente chora
e chora mesmo sem saber porque"

::

Pro Jacomo, meu amigo poeta, que sempre me mostra a vida por um outro ângulo.

Um comentário:

Julieta Abiusi disse...

Ah, Lu, acho que o verdadeiro tesouro precisa estar na leveza de quem consegue voar (e elevar). Não num baú pesado.
Mas olha esse seu céu colorido q vc postou... Tem tantos balões! Num deles deve estar escondido o que vc procura.
Lembra daquela clássica frase usada em Amelie, "quando o sábio aponta...". Então, esquece o mapa!
bj :o)