domingo, 26 de junho de 2011

Espera


- Peraí.

- Ai, porra. Quê que foi agora?

- Peraí, ainda não tô pronta.

- Porra, como assim, não tá pronta? Eu vim até aqui pensando que...

- Peraí, também, que drama. Só tô dizendo que não tô pronta. Que eu tô me aprontando...

- Se eu soubesse que você não tava pronta, eu ainda não tinha vindo.

- Ih, pronto, começou.

- Comecei nada. Você que veio com esse papinho de não tô pronta. E desde quando tem que estar pronta?

- É que eu quero que dessa vez dê certo. Você não entende. Aliás, você nunca me entendeu. Eu preciso que tudo esteja certinho, sabe? Mas ainda não tá pronto. Pô, não tô te pedindo nada, só tô te pedindo pouquinho de paciência. Eu ainda não tô pronta.

- Eu acho que é frescura, mas tudo bem. Ffffffff. Ô mulé difícil. Na moral: Você perde muito tempo com essa sua mania de querer que saia tudo do jeitinho que tem que ser. Deixa a coisa ser do jeito que é, sabe? Que mania de querer controlar tudo. Já tá bom...

- É, tá bom, mas pode ficar melhor.

- Eu acho besteira, mas enfim, você que sabe. Eu acho que tá bom. Que mania de querer fazer tudo direitinho, perfeitinho, que saco.

- Me deixa.

- Eu deixo, se você quer assim...

- É, quero.

- Claro que quer. Você sempre quer tudo do seu jeito.

- Hã? Quê que você falou?

- Falei que você quer tudo sempre do seu jeito.

- Não, senhor. Eu quero tudo do jeito certo.

- (impaciente) Tá bom, meu amor. Ai, ai. Se você estivesse se arrumando durante todo esse tempo que você fica falando nãotôprontanãotôprontanãotôpronta, você já tava pronta.

- Vem cá, vai ficar falando assim? Então foda-se, não quero mais ir. Grosso pra caralho, não fode.

- Ah, claro. Eu. Olha quem fala: a pessoa que coloca 3 palavrões numa frase só. E depois eu que sou o grosso. Aliás, tu tá falando palavrão pra caralho, hein? Tava reparando nisso outro dia.

- Eu não sou grossa. Eu sou grossEIRA. Você que tá me atrasando. Vem cá, vai deixar eu me aprontar ou vai ficar aí enchendo a porr... o saco?

- (risos) Vai, se arruma. Eu espero. Mas você já tá linda assim.

::
E numa bela manhã de sol, de repente, ela olhou para o nada e se deu conta de que já estava feliz novamente.

"Mas um velho me falou / que Jana jamais bancou / vinganças no desamor e então / voltei ao mesmo lugar / com peito aberto sem dor / aí o meu coração sarou".

Nenhum comentário: