quinta-feira, 21 de julho de 2011

A vida é tão rara


Lembro do meu primeiro Dia do Amigo. Descobri por acaso e resolvi fazer uma festa lá em casa. Era uma quarta-feira, 4 apartamentos atrás.

- Mas comemorar o que?
- Hoje é o Dia do Amigo!
- Ah, Luana, fala sério. Que porra é essa de Dia do Amigo?
- Sei lá, mas é um bom motivo pra comemorar.

Quase 10 anos se passaram desde aquele primeiro porre. Lembro de cada um. Ainda lembro das risadas e das conversas. Os assuntos e as companhias mudaram um pouco de uns meses pra cá.

Ontem, pela primeira vez, não foi na minha casa que se riu desse dia. Ao longo dele, aliás, eu até esqueci do motivo do brinde. E não foi por conta dele que eu peguei aquele táxi - já passava das onze - pra ir lá te dar um beijo. Eu precisava te ver e te mostrar que eu te amo, que estou contigo e o quanto eu me importo.

E que eu preciso de você ainda mais do que você anda precisando de mim. Que eu preciso do seu sorriso largo. Dia a dia, ombro a ombro. Vamos batalhar por ele.

::

Será que é tempo
Que lhe falta para perceber?
Será que temos esse tempo
Para perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

::

Somos um time. E não entramos em campo pra perder. Definitivamente eu sou o que vocês são / não solta da minha mão.

Um comentário:

mãe marilisse disse...

te amo filha. definitivamente, te amo. e como é bom te ter em minha vida! sempre. desse seu jeitinho luana de ser. verdadeira e inconfundivelmente amiga. seja sempre a minha luana. um beijo da sua mãe