segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Atenção, passageiros


E de repente me pego olhando pra esse aviso luminoso e desavergonhado que me diz: 3 hours delay. E me pergunto se já deveria, então, começar a sentir saudades de você.

Os anos passam e vejo mudar em classe econômica a relação que eu tenho com esses malditos aeroportos. Seriam um porto seguro ou seriam a melhor saída? 'There's no place like home' mas eu nunca sei o que sentir em todas essas minhas idas e vindas. Eu não sou daqui, ainda que eu tenha amor. E não espere menos de alguém que se arrisca ao ter um blog “Quaseindo”. Sempre estive indo, sempre estive vindo. Sempre estive condenada a não pertencer a lugar algum. O que você não entende é que não sou pra não precisar não ser.

Mas eu vejo essas crianças correndo pelo chão do aeroporto e me lembro que nunca fui tão feliz quanto criança no Galeão. Me sinto em casa nesse chão tão cuidadosamente encerado, e me lembro de todas aquelas nossas corridas de carrinhos, daquela alegria familiar a cada chegada, a cada partida. Não existe felicidade mais genuína do que a infância que vivi aqui, eu e todos aqueles primos. A vontade de que a infância pare no tempo. Eu tinha 8 anos e nunca me lembro de ter sido mais feliz.

Mesmo hoje, naquele abraço espremido e querendo virar um só. E agora, esperando um vôo que já completa 3 horas de um atraso idiota, eu me pergunto porquê que eu resolvi de novo ir embora de você. Eu não tenho pra nunca mais ter que perder. E lá se vão 3 horas. “É a neve em Paris, senhora”. E eu com isso de ter neve em Paris, eu que nem estou indo pra lá. Eu, que já nem sei se estou indo ou vindo, eu, que já nem sei pra onde vou. Eu, que agora não consigo parar de pensar que estou Quaseindo pro resto de mundo sem você. Eu, e o que mais me impressiona é que nem quero mais conseguir te tirar aqui de dentro de mim.

::

Tiquetaquetiquetaquetiquetaquetiquetaque. Faltam 2 semanas pra eu ser [mais] feliz de novo. E você? Tem coragem?

::

É oficial: De uns tempos pra cá, os taxistas resolveram que agora me chamam de “Senhora”. Assim, eu não me vejo Senhora, eu não tenho cara de Senhora, eu não tenho cabelo de Senhora. Vamos parando com essa palhaçada. Grata.

::

Pela atenção, obrigada. Nos vemos pelos aeroportos do mundo. Meu vôo está Quaseindo sem mim :)