sexta-feira, 27 de julho de 2012

Demora não.



E de repente o calendário deu uma volta em torno de si mesmo. Já fazia um ano que aquela menina do vestido esvoaçante acordara decidida: Ia abrir de novo as janelas do seu coração. 

Num piscar de olhos, enquanto eu tirava a poeira das gavetas, já não fazia mais o menor sentido passar por essa vida que no fundo é tão boa, e acordar e dormir e ver a vida escorrer por entre os dedos se não fosse com você.

Quanto clichê, meu Deus, deve não ser. Mas a verdade é que fez-se mar no olhar daquela menina tão feliz ao perceber que não queria mais enfileirar todos aqueles vestidos que não eram enlaçados por aquele bentido paletó.

Fazia uma volta aquele calendário e a menina não se lembrava de ter sido mais feliz. Que perigo, gente, esse de se conseguir aquilo que tanto se quer. Que perigo, gente.


::


E, numa dessas, me deparo com uma foto na internet.
É só uma foto. Mas que lágrima feliz.





Que perigo, gente.

Nenhum comentário: