sexta-feira, 6 de julho de 2012

Seja


De repente, tudo nessa sala virou saudade de você.

Mesmo eu me transformei na tua ausência. Prendendo a respiração nos intervalos de você eu passo a tarde olhando pr'aquela porta por onde você não entra.

E como me dói a dor que eu sinto enquanto você não volta. Eu sou toda essa falta que você me faz e essa minha vontade de conseguir nunca mais te ter de volta.

E então eu tranco os meus olhos e tento te ter aqui comigo. Ouço a gota de chuva batendo no vidro e sinto o cheiro doce da tua pele contra a minha. O beijo apertado. O sorriso. De olhos fechados eu vejo o teu olho brilhando.

E penso que sou a menina que ri, a menina que dança, a menina que chora. Eu sou esse me pega pra você, eu sou não mais querer o que se quer: Eu sou toda essa confusão de sentimentos, eu sou o beijo roubado na chuva, a mão que acaricia de leve, eu sou esse roxo no braço. Eu sou esse sussurrar no ouvido, eu sou o seu sorriso de bom dia, eu sou tudo o que você não é, eu sou igual a você.


::


Meu Deus, como é difícil ser eu.


Nenhum comentário: