domingo, 13 de março de 2016

É possível?

Sei que você está longe e preciso te contar sobre o Brasil.
Sim, muitas coisas estão mudando, não sei se para pior, espero que não. Ou para talvez dar coragem a todos, de diferentes graus de indignação, a gritar alto, sair às ruas, deixar esse lado meio brasileiro arrastado, meio malandro, de achar que tá tudo bem, de lado.
Lembro uma vez, aos 8 anos, quando me perguntaram, para um jornal da cidade- e se o Brasil entrasse em guerra, você lutaria? - e eu, sem pestanejar disse SIM. E lembro da minha raiva e força na pergunta que subiu meu corpo, numa vontade de defender minha pátria, de não querer que nada aconteça por aqui. Hoje não acredito em guerra, não quero armas de nenhum formato, mas certamente estaria à frente pra gritar alto sobre o que me deixa com nó na garganta.
E hoje tive vontade de tirar o mofo da bandeira, deixar quarar ao sol, pra colocar na janela.
E ali, vi uma assinatura forte, um autógrafo meio borrado, que lembro ter sido suado naquele dia de eleger um novo presidente.
Sim, querida amiga, o Brasil mudou. Eu mudei. Muitas coisas ruins aconteceram, mas muitas pessoas, agora, tem um teto ou um prato de comida na mesa.
Não te escrevo pra falar disso e sim da minha vontade hoje de transformar. De defender, de ir fundo, de querer fazer algo.
Ontem li o post do nosso amigo Tissot, no facebook, imaginando um mundo melhor- e se fossemos às ruas ajudar os outros? Imagina milhares saindo as ruas pra fazer o bem ao invés de defender o indefensável ou reclamar do imutável? Imagina que impacto e que mensagem seria dada aos políticos?
E se?
Sei de muita gente que tem saído sim às ruas para ajudar, Luana tem falado muito sobre o "voluntariado" no primeiro mundo. Pessoas que realmente fazem, com força física ou dinheiro. Não importa, apenas tomam as rédeas da própria vida e decidem, por livre e espontânea vontade dar apoio,  transformar a vida, ou pelo menos deixar menos desigual na balança.
Tudo isso pra dizer que minhas mãos estão formigando, pensando que DE VERDADE: podemos fazer diferente.
Olha todas as escolas e "não escolas" novas que estão surgindo. Pais que não aceitam mais esse formato moldado de até então e crianças ocupando a frente e mostrando o que querem de verdade  aprender com a vida que nos é dada.
Olha pra toda essa nova economia, horizontal, que surge aos quatro cantos.
Olha pra essas novas comunidades sustentáveis que muitos já vivem - o lixo não existe.
Essa comunicação através da internet que ganha força, se usada de maneira sábia.
A espiritualidade e tudo que muitos vem buscando pra se tornarem melhores ou pelo menos sem tanto peso ou sem tanta CULPA.
Olha pra beleza deste país, de tantas chacinas e encantos mil. Como não querer lutar?
Precisamos mudar, pelas nossas mãos, fazendo o bem. E isso não é um "papinho"de ONG, como muitos acreditam. E sei que não somos poucos e que queremos muito, juntos, um país melhor.
Precisamos gritar, se for preciso, mas sempre de mãos dadas, por um novo mundo possível.
Vamos?
Eu acredito.

por Beca

Nenhum comentário: