domingo, 30 de abril de 2017

Para quem anda quase indo, ou precisando de poemas que afaguem


Minha cara amiga me perdoe por favor,

Por escrever o que se passa,
Mengão jogando um baita futebol
Cardoso do samba anda melhor que o rock'n roll
Ontem choveu e hoje já tem sol
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta
Black blocs pra engolir a transação
E a gente encontrando um vampiro no caminho
E a gente vai se amando que, também, sem um carinho
Ninguém segura esse Pezão.

_____


E hoje, dia do trabalhador, fico aqui indignada com todo esse retrocesso.
Em pensar que fomos às ruas lutar por direitos já garantidos e esses FDP engravatados querendo tirar dos que não tem.
Ando vendo tanta revolta e tanta impunidade que acho melhor você ficar por aí e olhar para esses cantos lindos de suas fotos, do que se chocar com uma tropa que chega sem pedir licença e nos faz chorar pelo gás derramado nos aposentados, servidores públicos com suas crianças encurralados em plena Cinelândia. Em pensar que foram esmagados na porta do Cine Odeon, como uma cena de horror nos filmes das Guerras Mundiais.
Me senti impotente.
Sim minha cara amiga, voltamos a dita: DURA
Não está mole pra respirar. Quem dirá pensar naquele sonho que dizíamos sonhar juntas...
Mas como bem diz a letra de Chico, vamos também amando, 
pra ver se tudo isso afaga ou se afoga em lindos poemas do último filme de Jim Jarmusch. Se tiver um tempo, gaste nessa poesia tirada de um cotidiano banal.
Aproveito pra te contar da minha vontade de ir à Africa e ver de perto o que tem os feito sair de lá. Do documentário sobre educação, dos índios (veja também Martírio) e da arte pela Europa.
Tenho tanto pra te contar.
Mas prefiro apenas lhe dizer para ler bons livros, tomar bons vinhos baratos e te deixar com esta fotografia em forma de poema, tirada pela amiga Ana Carolina Fernandes, bem no epicentro dos batimentos cardíacos elevados.






Vamos usar a cabeça para pensar, estimular a imaginação, alimentar as defesas contra o autoritarismo e a opressão. Palavras de Ana Maria Machado.

O Gabriel aproveita pra também mandar lembranças,

A todo pessoal,
Adeus


Por Betânia Furtado